um poema antigo

conversa existencial num bar fino em mato grosso

– o que vai ser, doutor?
– ora, me vê aí uma dose de torpor,
coloque gelo para descer melhor,
e não se esqueça do chorinho!

– tá na mão! o chopp é com colarinho?
– pouco. o preço tá bem carinho!
– não vai beliscar nada, que tal uma panceta?
– não tem nada que rime com essa palavra horrenda?

– aqui é bar de respeito, quer chuleta?
– meu coração não anda bem, bate, bate e pára…
veja uma porção de carne de capivara.

– desculpa a pergunta… o senhor não tem família?
– não, nessa vida sou só eu e minha velha brasília.
(querem que homens assim sejam como eu e você?)

(algumas coisas, definitivamente, não dá pra se escolher)

dialogo

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s